Ronaldo não vai “representar” Portugal no Mundial do Catar

aeiou.pt 64 days ago
José Coelho / Lusa

Cristiano Ronaldo não vai ser o “poster boy” de Portugal no próximo Mundial do Catar. Bruno Fernandes e Diogo Jota são os favoritos para representar a seleção nacional nos cartazes gigantes de promoção da competição.

De acordo com a ESPN, Cristiano Ronaldo não será o “poster boy” de Portugal, ficando fora do grupo de 32 jogadores que irão simbolizar as suas seleções no poster oficial que vai representar as equipas participantes no próximo Mundial do Catar.

A organização da competição está a preparar posters gigantes com a principal estrela de cada uma das seleções presentes no Mundial. Os cartazes, com cerca de 30 metros de altura, irão “vestir” os arranha-céus da baixa de Doha durante a competição.

Segundo o canal desportivo, está ainda em curso a negociação dos direitos de imagem de alguns jogadores junto dos representantes das respetivas seleções — como é o caso de Neymar, que deverá ser o representante do Brasil.

A cidade está já decorada com os posters gigantes de Harry Kane (Inglaterra), Luis Suarez (Uruguai), Luka Modric (Croacia), Sadio Mane (Senegal), Alphonso Davies (Canada) e a estrela da seleção local, Hassan Al-Haydos, cujas figuras dominam já a paisagem da cidade em representação das suas seleções.

Segundo fontes citadas pela ESPN, Cristiano Ronaldo irá liderar a seleção de Portugal na tentativa de vencer pela primeira vez a competição, mas o capitão da equipa lusa não será o seu poster boy.

Bruno Fernandes e Diogo Jota, diz o Daily Mail, são os favoritos para marcar presença nos arranha-céus de Doha em representação de Portugal.

A decisão surge numa altura em que tem crescido a contestação interna à titularidade indiscutível de Ronaldo na equipa das quinas. Os recentes números de Ronaldo não são encorajadores: nos últimos oito jogos ao serviço da Seleção, CR7 marcou somente dois golos e fez apenas duas assistências.

A derrota de Portugal com a Espanha, que ditou a eliminação da Liga das Nações, mostrou um Cristiano Ronaldo muito abaixo do que nos habituou — e agudizou o clima de insatisfação com o super-jogador que “está lá” sempre que é preciso.

O lento (e natural) declínio da importância de Ronaldo em campo parece estar a transportar-se para a sua presença como ícone incontornável da seleção nacional — mas a provável ausência de CR7 nos arranha-céus de Doha é inesperada.

Ainda assim, Cristiano poderá não ser a única super-estrela que em Doha estará na posição invulgar de ter que “olhar para cima” para rivais e companheiros de equipa, diz a ESPN: a Argentina ainda não escolheu o seu poster boy…

  ZAP //